Centro Cultural de Idiomas e Artes

Centro Cultural de Idiomas e Artes

Avenida Segismundo Pereira 1561
Uberlândia
38408 170

Entrem no menu ... E pesquise sobre nossa escola... SOBRE NÓS ... CURIOSIDADES etc...

Clicar e viajar...
+34.32315248
cia.cultural@yahoo.com.br

Volta as aulas dia 6 de fevereiro de 2018 (Terça- feira)

 

e-mail cia.cultural@yahoo.com.br

Venha pessoalmente nos conhecer .... E veja nossas novidades!!!! 

 

Veja no final desta página videos que mostram como desenhar mangá...

Agora leia sobre:  O que é mangá  e venha conhecer nossos cursos na Cia Cultural...

O que são mangás ... Nós da Cia Cultural oferecemos esse curso do qual irá aprender a desenhar e ainda narrar essas histórias em quadrinhos que têm uma característica própria. 

Veja:  Mangás são histórias em quadrinhos japonesas, ao contrário das histórias em quadrinhos convencionais, sua leitura é feita de trás para frente. Teve origem através do Oricom Shohatsu (Teatro das Sombras), que na época feudal percorria diversos vilarejos contando lendas por meio de fantoches. Essas lendas acabaram sendo escritas em rolos de papel e ilustradas, dando origem às histórias em sequência, e consequentemente originando o mangá. Essas histórias passaram a ser publicadas por algumas editoras na década de 20, porém sua fama só veio por volta da década de 40. 

A produção de mangá foi interrompida durante a Segunda Guerra Mundial e retomada somente em 1945, tendo o Plano Marshall como seu propulsor, pois parte das verbas desse plano era destinada a livros japoneses. A prática de ler mangá aumentou consideravelmente nesse período, pois com a guerra poucas atrações culturais restaram. Foi nessa época que surgiu o que podemos chamar de “Walt Disney Japonês”, o Ossamu Tezuka, criador dos traços mais marcantes do mangá: Olhos grandes e expressivos.

Com o passar do tempo o mangá saiu do papel e foi parar na televisão, transformando-se em animes (desenhos animados), ganhando mais popularidade e aumentando o número de fãs em todo o mundo. As histórias são sempre variadas e com roupagem sempre nova, personagens expressivos e heroicos como, por exemplo, “Dragon Ball Z” (personagem principal: Goku), “Yu Gi Oh” (personagem principal: Yu Gi).

Enfim,

O nome Mangá é dado a todas as histórias em quadrinhos de origem japonesa. Essa palavra é resultado da junção de outras duas:                  Man – que significa involuntário;  – que significa imagem. Além de ter origem japonesa, os mangás se diferenciam pelos seus desenhos e personagens em si. Assim como os animes, os mangás possuem características próprias e desenhos típicos. 

Características 

Uma das características dos mangás está no próprio alfabeto japonês. Os ideogramas representam, além de sons, idéias. É muito comum encontrar onomatopéias representadas por ideogramas do alfabeto japonês  Os mangás não são criados como os gibis que conhecemos. A sua leitura deve ser feita de “trás pra frente”, considerando os moldes tradicionais. Ou seja, a história começa na última página e osquadrinhos são lidos da direita para a esquerda. Os volumes de mangás são compostos de aproximadamente 200 páginas. Assim sendo, as histórias são compridas e com muitos detalhes. Possuem diversos pontos de vista e, além disso, conta com variações no número de quadrinhos, já que os autores (chamados mangakás) aproveitam o espaço disponível para transbordar os sentimentos e emoções nos desenhos que variam de tamanho.  É comum encontrar mangás impressos em papel jornal, preto-e-branco. Devido ao grande número de páginas, tal atitude reduz os custos e os torna viável a todos os leitores.   O principal ingrediente é a capacidade de fazer as pessoas mergulhar nas histórias, transparecendo suas emoções e sentimentos e encantando os leitores.

CONHEÇA UM POUCO MAIS SOBRE A HISTÓRIA DO MANGÁ

Voltando nossos olhos para um Japão do século VI e VII DC. , notamos o povo japonês abraçando a poderosa crença Budista e os pergaminhos chamados Chojugiga, que apresentavam animais em situações humanas. Chojugiga que significa, literalmente, "quadros humorísticos de animais e pássaros", era a primeira aparição do mangá no Japão. 

Durante o período da guerra de Kamakura, era criada um tipo de arte de realismo grotesco que se referia, paralelamente, aos ensinos de Buda, fazendo o homem ponderar sobre a sua estupidez e culpa pelos corpos de pessoas no meio de excrementos, que a guerra trazia. Tudo isso dentro de humor zombeteiro por isto, podemos falar que era um estilo de cartoon. Muito desses pergaminhos faziam o homem refletir nas batalhas fúteis que ocorriam.

Seguindo para o período de Edo, as pessoas da classe mercantil exigiam um entretenimento barato. Com esse intuito foi criado um estilo especial para o consumo em massa, que retratavam as pessoas nos prazeres e passatempos da vida, eram chamadas ukiyo-e. Muitos indivíduos da classe alta consideravam este tipo de arte um lixo.

Como criar um ukiyo-e era muito barato, muitos foram transformados em embrulhos de chá. Mas foram estes embrulhos de chá que inspiraram, os europeus, a criar as histórias em quadrinhos modernas.

Katsuhika Hokusai (1760-1849), que era artista nesta mesma época definiu o termo mangá em 1814. Este termo nada mais é que a união de dois ideogramas japoneses "MAN" (irrisório ) "GA" (imagem), ou seja, o mangá não significa apenas história em quadrinhos, e sim, cartoons, caricaturas e impressos de histórias em quadrinhos.

mangásantigos2

A primeiro mangá oficial também foi lançada nesta época, pela obra "Tobae Sankokushi" de Oka Shumboka.

Desde o princípio deste gênero artístico, os artistas e leitores eram estritamente masculinos. Constantemente os temas usados tinham como principal enfoque a mulher como objeto sexual. Com a chegada do século XIX, um homem conhecido por General Perry fez com que as mulheres tivessem um envolvimento maior com o mangá. Mas ainda eram a minoria até os tempos atuais.

O mangá que hoje conhecemos, com dramaticidade, ressaltando os sentimentos humanos em relação ao ambiente, foi desenvolvido por OSAMU TEZUKA (de Kimba, O Leao Branco; A Princesa e O Cavaleiro, Black Jack, entre tantos outros), que não é considerado de "deus do mangá" a toa. Até então, as HQs eram meras inanimações de um teatro grego. Tezuka (que já esteve no Brasil no início da década de 80) decidiu usar em suas histórias em quadrinhos as técnicas usadas no cinema, como ângulos de câmeras, fotografia, o impressionismo do cinema alemão de 1930 (alcançando seu êxtase com Metropolis), dentre outras coisas da cinemática. Palavras, sentimentos e emoções transformaram-se em imagens; o que era abstrato vira concreto através do desenho.
Osamu Tezuka foi o maior revolucionário dos quadrinhos japoneses, influenciando até mesmo desenhistas estrangeiros (Maurício de Souza é um deles...), mas foi SANPEI SHIRATO que conseguiu o devido respeito aos quadrinhos pelos intelectuais. Em 1964, Shirato cria a série de mangá KAMUIDEN ("A Lenda de Kamui"), que conta sobre a revolta dos camponeses contra os senhores feudais, provando que os quadrinhos podem ir muito além de um simples entretenimento para mero passatempo.
As revistas de mangá começaram a se desenvolver mesmo somente após a 2º guerra mundial. A produção era artesanal e, ao invés da venda, as revistas eram alugadas em lojas de aluguel de livros, chamadas Kashi Honya. Posteriormente, com crescimento do gosto do público por esse tipo de publicação, as kashi honya transformaram-se em editoras e passaram a produzir os mangás em escala industrial... e põe escala industrial nisso!


   Hoje, os números são assustadores em tudo que se refere ao mangá. Atualmente conta-se com mais de 270 títulos de revistas dispostas no mercado japonês, com 15 à 20 títulos de mangá por revista! A cada ano, a venda das revistas chegam ao valor de mais de 5 bilhões de reais, mais de dois bilhões de exemplares vendidos, o que daria uma revista de mangá para cada 3 habitantes do planeta! O recorde de venda de um mesmo número de revista também é a do mangá: a SHONEN JUMP, revista com quadrinhos destinados à garotos adolescentes de 12 à 16 anos, teve uma venda de 6.500.000 de uma mesma edição, e a revista é semanal! E ainda há as revistas amadoras e independentes, chamadas doujinshi (que é o mesmo que os fanzines aqui, mas a semelhança só fica nos ideais de ambas). Algumas com excelentes qualidades gráficas (algumas tem capa dura e papel de seda ou arroz por dentro), chegam a vender 10.000 exemplares de uma única edição!         Acredite, até fanzine no Japão dá dinheiro! Numa convenção que quadrinhos que ocorreu em 2001, reuniu 22.000 grupos de fanzineiros

» OS VÁRIOS ESTILOS DE MANGÁ

Kodomo Manga - É um manga feito para crianças.A arte não é muito rebuscada.As histórias são engraçadas e animadas.Ex:Doraemon , Anpnman, Hello Kitty, etc

Shonen Manga -É o manga para garotos.A arte é detalhada e os traços são fortes.Os enredos são baseados em brigas, esportes, etc.

Ex:Yu Yu Hakusho, Dragon Ball, Samurai X, etc..

Shojo Manga - Manga para garotas. Traço leve e diagramação clara e limpa. Costumam mostrar aventuras mescladas com dramas amorosos.

Ex:Sailor Moom, Sakura, etc...

Josei(Mulheres) , Seinen(Homens) 
Os assuntos abordados para os adultos giram em torno dos problemas familiares, dilemas profissionais e relacionamentos complicados.Possui traços realistas. Ex: Cry Freeman, ...

Gekiga:Manga sobre samurais. Ex:Vagabond,Lobo Solitário..

 

Na leitura MANGÁ na tv ANIMÉ